Nuno Leão
[direção artística, criação e interpretação]

Nuno Leão
[direção artística, criação e interpretação]

Nasceu em Castelo Branco no ano de 1983. Inicia a sua atividade artística em 2004, com a fundação da Companhia Cães à Solta. Em 2009 cria “Antes de Descobrir a Garanta”. Em 2010 trabalha com os Artistas Unidos. No mesmo ano termina a Licenciatura em Teatro – Ramo Atores na Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa. Desenvolveu investigação no Instituto de Literatura Tradicional (IELT) da Universidade Nova de Lisboa. Em 2011 estreia “Efabulação” (prémio melhor interpretação masculina). Estreia-se na Ópera, em 2011, no Teatro Nacional São Carlos, com “Carmen” de Georges Bizet. Em 2012 funda a Terceira Pessoa – Associação, onde criou “Kurt Cobain” (2012), “Hey You” (2013), “Inscrição” (2014), “Mãos Pensantes ou Manual de Pensar” (2014), “Primeira Infância: um fabulário” (2015) e “The Old Image of Being Loved” (2016). Em 2013/2014 colabora com o Teatro Praga no projeto internacional de artes performativas “TABUROPA” (Portugal, Alemanha, Bélgica, Polónia). É ainda responsável pela direção artística e produção do projeto “Há Festa no Campo / Aldeias Artísticas” desde 2014. No ano de 2017 criou o espetáculo “Aqui é sempre outro lugar”, com jovens adolescentes da cidade de Castelo Branco e recentemente iniciou projetos que exploram a relação entre o processo fotográfico e as artes performativas, estando nesse âmbito a desenvolver os projetos “dizer adeus às coisas”, “ver no escuro” e “permanecer”. No ano de 2018 cria e estreia os espetáculos “Da minha aldeia vejo quanto da terra se pode ver no universo” e “Senso Comum – uma vaga lembrança de um espetáculo”. No ano de 2019 cria o percurso artístico pluridisciplinar “Uma linha é um ponto que passeia” em Riachos (Torres Novas), integrado no Caminhos Médio Tejo.